domingo, 1 de maio de 2011

"Mãezinha"





No meu coração em toda a minha vida por ti o meu amor sobe
Nasce e renasce em todas as aventuras e desventuras
O teu tempo no meu tempo ganhou alma e tu mulher que a fome
Encantou pela noite equilibrada, imponderável - vissicitudes e agruras
E  em desejo devoras-te a flor do vinho envolveste as tuas mãos
Numa espuma de crepusculos e crateras , numa luta de ir e ficar
Descerrá-te as tuas mãos em tristezas diurnas e nocturnas
Em dores tanto choradas com lágrimas que eram só tuas
E quando entre a nuvem e o arbusto sentis-te o cheiro acre e puro
Da tua entrega incliná-te por dentro do sono as tuas mãos nuas
O teu copo vazio o teu prato lavado, a rosa respirando
Contra o ar. A tua voz cantou - A tua alma vibrou e teu punho duro
Ganhou a força de uma mulher guerreira.
Em ti me inspiro no teu nosso mar os centauro do crepúsculo
Que aspiraram longamente a nossa vida e nos uniram na brisa de um sorriso
Por todos os desertos, por todos os mares
 Por todas as mortes, por todas as vidas.
Murmurei no teu ventre, beijei o degrau do teu espaço
Descobri as tuas mãos em caricia 
Que trouxeram a mim o vento  suave, a luz inocente das urzes
O silêncio, a palavra da montanha, o cheiro da flor da giesta
Conheci contigo a força da espada,
As danças, as superstições
Os cânticos da noite e da madrugada
E todo o valor que tem a vida
Acolinhei-me em teus cabelos como  lençóis da mais pura seda
Em todas as minhas noites e dias a força do teu grande abraço.
Por tudo isto minha querida Mãezinha obrigada.

(Angelina Alves)



1 comentário:

ARAAN disse...

querida amiga,
feliz dia das mães !!!
muita paz! beijos !!!