quarta-feira, 28 de outubro de 2015

"Desassossego"


Não sei que espécie de caminhante eu sou
Há dias que sinto o peso do mundo às costas
Hoje caminho sem saber para onde vou
Ando para a frente recuo ando às voltas.


Não sei que espécie de caminhante eu sou
Hoje o dia cega-me os olhos, rasga-me o peito
Quero uma nova luz no meu caminho onde estou
Completamente caída no chão sem agasalho sem leito.


Recorro à minha inabalável fé em Deus
Imploro a todos os Anjos que me tragam a Luz
Que a Terra quer apagar para mim - Céus atormentados
Silêncios tremendamente embalados desassossego - eu
Caminhante sem saber para onde vou, quem me conduz
Neste caminhar onde todos os sonhos morrem inacabados.

Escrito por: Angelina Alves


Sem comentários: