quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Extractos






Já perdi a esperança de voltares a caminhar a meu lado, pelas ruas de sempre. Por Lisboa, Madrid e a nossa cidade eleita Paris. Tempos ouve que eu me lembrava e desejava a nossa aproximação. O teu feitio tranquilo e conciliador iria encontrar uma forma subtil de ficarmos juntos. Que se iriam resgatar os nossos beijos adiados ao longo do tempo, todos os abraços, todos os momentos que desejamos repetir, como se nunca deixássemos de o fazer.Por vezes sinto-te como que nunca tivesses saído do meu sangue, mas sim, já aprendi a viver com isso. O tempo modera, pondera e apazigua tudo.Há amores que nunca morrem, não há? Por isso até consegui alcançar esse estado de sabedoria e de desprendimento, preciso de paz e de silencio, para que o meu luto não seja vão. Hoje o que quero da vida, afinal são coisas muito simples; paz, tranquilidade, amigos, tempo para aqueles que amo e viver na minha casa cheia de sol e de coraçao cheio de boas recordações, só boas boas, porque as más, apenas as quero lembrar para nao repetir os mesmos erros...

Extractos de: Angelina Alves



Sem comentários: